jusbrasil.com.br
5 de Abril de 2020

A verdade sobre ter ou não um escritório físico

Eu te ajudo a decidir, sem enganação

Maico Volkmer, Advogado
Publicado por Maico Volkmer
há 3 meses

Recentemente escrevi um artigo relatando as minhas impressões sobre o marketing digital. Fui elogiado por alguns colegas por ter abordado o assunto com sinceridade e de uma forma realista. Faço isso porque não tenho intenção de vender nenhum curso ou ser um "guru" para os jovens advogados. Meu objetivo é somente compartilhar experiência e ajudar os novos colegas de profissão, pois sei como é sair de uma graduação, passar na OAB e se sentir "perdido" no início.

A Advocacia é elitista

Antes de entrar no tema, preciso ser "elitista". Eu não penso assim, eu venho de família humilde e acredito que precisamos lutar todo dia por uma sociedade mais igual, porém a advocacia, por muito tempo, foi profissão das "elites". Ninguém vê como advogado de sucesso o sujeito que anda com um carro de vinte mil reais (é o meu caso). O advogado de sucesso é aquele que anda de Mercedes, de Audi ou com um carro de cem mil reais para cima. Isso é histórico e é uma desconstrução e desrotulação que leva tempo. Estamos progredindo, mas ainda precisamos avançar mais.

Posto isso, digo que ter um escritório físico não é necessário, como requisito essencial. Isso quer dizer que não é porque você não tem um escritório físico que não será um advogado. Mas esse espaço vai te ajudar e muito. Entenda isso e se adapte conforme esse conceito.

É como passar a imagem de um advogado de sucesso. Não é essencial, mas chegar no fórum de Mercedes vai te dar um respeito muito maior. Quem falar que não é assim, está sendo hipócrita. Como eu disse, não concordo com isso e não vejo que as pessoas são o que elas tem, mas a maioria da sociedade vê assim e, ou você aceita ou fica "dando murro em ponta de faca".

Um pouco da minha experiência

Tenho uma sala de 4x4m, aproximadamente. Não sei a medida exata, mas imagine que neste espaço cabe uma mesa em L, mesa do café, um armário baixo, duas poltronas (em frente a mesa) e dois vasos com plantas grandes. Tenho planos de fazer uma sala de reuniões pequena, com divisória de vidro, mas vou esperar até que refaça meu caixa. Uso um notebook que eu já tinha e comprei um monitor de 20 polegadas auxiliar, que ajuda bastante, principalmente para trabalhar com processo eletrônico.

Pago aluguel, com um valor bem em conta (mesmo), água, luz e internet. Custo fixo: uns 500 reais por mês. O acesso é um pouco difícil, pois fica no segundo andar de um prédio comercial de dois pisos e na minha cidade (quem é do interior vai me entender), as pessoas não gostam de entrar em prédios ou subir escadas e preferem o atendimento do colega que tem sala térrea.

O que mudou depois de ter escritório?

Sou advogado desde 2017, maio, precisamente. Trabalhei no jurídico de uma grande empresa na cidade vizinha neste tempo, até 2019. Abri meu escritório em 2018, trabalhando em tempo parcial. Nesse período, o escritório seria minha renda extra, que se tornaria principal assim que fosse sustentável. Receita no primeiro meio ano: zero. Isso mesmo. Nada de clientes, nada de parcerias, nada. Nem sequer um contrato para analisar.

Isso mudou depois que eu passei a me dedicar integralmente ao escritório. Fui procurado por outros colegas para parceria. Os clientes começaram a surgir. As ações igualmente. O que mudou? A meu ver, as pessoas passaram a me ver como advogado. Coisa que não acontecia antes, quando eu era funcionário. Pode ser coisa da minha cabeça, mas não vejo outra explicação e isso só reforça o que eu falava acima sobre não somente "ser" mas "parecer ser" advogado.

Ter ou não ter?

Respondendo a pergunta do título, para mim vale a pena ter. Minha advocacia mudou depois que abri meu escritório e a sede física dele e passei a estar lá de segunda a sexta em horário comercial.

Se você consegue clientes, e mais, consegue fazer com que as pessoas te vejam como advogado atendendo em shopping, cafeteria, coworking ou outro espaço que proporcione esta condição, você está conseguindo ter sucesso na sua advocacia. Agora, tente abrir um escritório e veja como a procura aumentará, como o respeito aumentará. Você precisará de um escritório para ser a tal da "autoridade" que muitos falam. Por mais que muitos colegas digam o contrário, a imagem é essencial, vivemos de aparência, infelizmente. Não que eu seja contra os espaços compartilhados, pelo contrário. Eu mesmo estou analisando oportunidades de trabalhar em espaços assim por um ou dois dias na semana para ter uma visibilidade e falar com pessoas de outras áreas e até com outros advogados nestes espaços criados para a interação.

Outra questão minha: fecho muitas ações pela internet. As pessoas me perguntam quem eu sou, onde eu trabalho, etc. Sabe o que eu faço? Mando o link do meu site, com todas essas informações, incluindo meu endereço físico, para que me localizem pelo Google Maps, se for o caso. Te digo que aumenta a confiança em mim e no meu trabalho. É essencial? Talvez não. Seria mais difícil se eu não tivesse essa estrutura? Com toda a certeza.

Conclusão

A escolha é de cada um e que fique claro que eu não estou dizendo que você só vai dar certo como advogado se tiver um escritório magnífico, com móveis sob medida e bem decorado.

Mas tendo a sua sede própria você, com certeza, atrairá mais clientes, mais demandas, mais honorários e mais respeito. Como disse acima, a sociedade vive de imagem e o advogado carrega um esteriótipo. É mais fácil fechar um contrato de terno e gravata ou de camiseta e jeans? Pessoalmente, creio que isso não deveria importar, mas importa. A confiança está ligada não só a ser, mas a aparentar ser um bom advogado.


Pode me seguir no instagram ou falar comigo pelo telegram, se quiser trocar uma idéia sobre o conteúdo ou sobre qualquer coisa relacionada a advocacia.

14 Comentários

Faça um comentário construtivo para esse documento.

Não use muitas letras maiúsculas, isso denota "GRITAR" ;)

Dr. eu quero colar suas publicações no meu mural kkk

Eu não tenho escritório físico justamente porque divido meu tempo com outro escritório. Realmente ter o próprio local ajuda, além de não ter que ficar alugando sala e dependendo de agenda de coworking (meu caso).

A internet é a minha melhor amiga (eu a odiava antes) porque todos me encontram e nem perguntam onde eu atendo. Faço tudo via whatsapp, uma mão na roda.

Mas o sonho do próprio cantinho continua vivo porque eu acho que vale a pena ter, desde que a pessoa saiba usar como forma de fomentar o negócio. continuar lendo

Fique à vontade, Dra., rsrs!

Vejo que ter o próprio escritório é o sonho da grande maioria dos advogados, mas é como você disse, precisa ser sustentável. Se não der resultado, não adianta. Você não tem o seu, mas usa uma das alternativas que eu vejo como mais viável, dividir o espaço de um escritório já instalado.

Quando o seu estiver pronto e operando, vou querer saber, porque tenho certeza que esse momento vai chegar.

Também uso a internet e faço muita coisa pelo whatsapp, mas sempre tem aqueles que preferem o antigo "olho no olho" e para estes, tenho o espaço.

Obrigado pelo comentário! continuar lendo

Eu tenho um escritório e não vou a um ano, meus clientes todos via internet, porém as redes sociais faço muito marketing posto meu dia indo audiências e tals. Além disso comprei um carro que parece de advogado bem sucedido um fusion 2011, ando de terno sempre no trabalho. Inclusive visitas, assinar uma procuração fica fácil então digo que meu carro é o fecha contrato. Dica o terno não custa 400 reais já tenho uns 4 kkkkk então vamos mostrar pq isso que a sociedade espera, que vc ajude eles e não a gente ser ajudado, ex. Vc chega num Palio o cliente tem um Honda city, então vai logo pensar que vc não tem cliente.
. continuar lendo

Esse é um dos pontos, Saulo. Vivemos de aparência. Como disse, não concordo com isso, mas não adianta ir contra, é mais fácil se adaptar e tentar quebrar esse paradigma aos poucos.

Quanto a internet, funciona, mas não antes de você passar a imagem de advogado bem sucedido. continuar lendo

Sua experiência é bastante proveitosa e, infelizmente é verdade que a advocacia necessita ainda dessa aparência do "ter". continuar lendo

Pois é Michelle, eu não concordo, mas como disse acima, tem momentos que é melhor se adequar do que tentar ir contra e se vai quebrando esse paradigma aos poucos.

Obrigado pela contribuição! continuar lendo

Tive escritório e trabalhava como funcionária pública, nunca usava e só ia lá pagar o aluguel, acabei entregando. Ainda advogo e sou funcionária pública, mas sem um escritório físico, já perdi clientes... Infelizmente, a sociedade é assim.
E estar integralmente dedicado à advocacia faz sim toda a diferença, inclusive na hora de cobrar os honorários. As pessoas acham que por vc ter outra atividade profissional e não ter despesas fixas com escritório e talz, você tem obrigação de cobrar menos pelos serviços. continuar lendo

Pois é, Fabiana, no meu caso nem foi o preço dos serviços, eu não tive procura mesmo e imagino que aconteceu porque as pessoas não me viam como advogado, já que eu tinha outra atividade.

E a aparência, sim, conta muito, infelizmente.

Obrigado pela contribuição! continuar lendo